Capivari - Serro

 

HISTÓRIA DA CIDADE

O início do povoamento do sertão dos Cataguases se deve ao espírito intrépido dos bandeirantes paulistas que, em fins do século XVII, iniciaram expedições em busca de ouro e de pedras preciosas, ou de índios para o trabalho escravo. 
Segundo alguns historiadores, foi Lucas de Freitas o primeiro civilizado a penetrar em terras do atual Município de Serro. Outros atribuem o feito a Antônio Ferreira Soares, descobridor do morro que, mais tarde, se chamou Gaspar Soares. Essa versão tem base na Revista do Arquivo Público Mineiro, que menciona Antônio Soares como descobridor das minas de Serro Frio, em 1702, coadjuvado por seu filho João Soares Ferreira, pelo escrivão Manuel Correia, pelo procurador régio Baltazar Lemos de Morais Navarro e por Lourenço Carlos Mascarenhas e Araújo, seguidos de inúmeros escravos. 
Entretanto, de acordo com o escritor serrano Nelson de Sena, os descobridores e primeiros habitantes da região do Serro Frio, que, atraídos pelas lavras do aurífero Hivituruí, aí se instalaram em 1703, foram os irmãos Corrêa Arzão, Baltazar Leme Lourenço Carlos, Gaspar Soares, Lucas de Azevedo Bartolomeu Bueno de Siqueira, Jerônimo Arzão e Pedro de Miranda.

OPNIÃO DO TOLEDO

Imagine você chegar a um lugarejo do interior de Minas e ficar hospedado dentro da casa de um parente. É assim que funciona o Turismo Solidário implantado em Capivari, distrito do Serro, que fica um pouco antes de Milho Verde, um local que já está um pouco mais desenvolvido no turismo. No entanto, Capivari nos remete ao que há de melhor nesta relação dos mineiros com os visitantes. A nossa equipe ficou em duas casas. Fomos muito bem tratados e, apesar da simplicidade, as duas proprietárias que nos receberam são cuidadosas, as casas são limpas e tudo remete àquela tradição de irmos para a casa da vó ou da tia no interior. As refeições são feitas nestes locais, os cafés são excelentes, cheios de quitandas locais e o lugar é muito tranquilo. Simples, volto a dizer e a única coisa que poderia melhorar é a quantidade de banheiros. Normalmente, as casas tem dois e eles são divididos pelos turistas e pelos moradores, uma vez que ninguém sai de casa para receber, afinal de contas, é mesmo uma casa do parente. O distrito ainda tem várias cachoeiras e paisagens incríveis. Ainda é possível dar um pulo em Milho Verde ou no Serro. Passeio de alta qualidade que eu indico para aqueles turistas com espirito de aventura ou espírito familiar. As hospedagens são organizadas por uma empresa especializada. Ele filtra os pedidos para que os moradores locais não fiquem expostos demais. Reservas e mais informações: Andarilho da Luz: (31) 3494-2727 ou www.andarilhodaluz.com.br.

 

Saiu no blog


        Capivari: como se fosse a casa da vovó

Capivari: como se fosse a casa da vovó

31/10/2016

  • Cobertura telefonica: Oi - Vivo
  • T. Rodoviário: Viação Cometa
  • Empresas aérea Não
  • Hospitais: Regional