Veja porque você precisa visitar Serro pelo menos uma vez

Serro é uma das belas cidades históricas de Minas Gerais. Na cidade tem vários lugares maravilhosos como a Igrejinha de Santa Rita, que é uma das mais bonitas do estado.

Nós já escrevemos sobre Serro, aqui mesmo no blog Viajando com Toledo. 

Lá você também encontra o Museu dos Otoni, um belo casarão que vai te mostrar um pouco da história de Serro. 

A superstição e o folclore fazem parte da identidade de Minas Gerais, e em Serro você pode encontrar encontrar a Bica das Grávidas, um lugar para as mulheres que desejam ser mães, poderem realizar o seu sonho.

Perto da cidade você encontra fazendas para experimentar o verdadeiro queijo do Serro, eleita como a cidade do queijo, o bem imaterial de Minas. 

Mais um dos atrativos da cidade é a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, resumindo, Serro é uma das #TOP5 Cidades Históricas que precisam ser conhecidas. 

Olha só o que Serro tem para você!

 

História de Serro

Situada no noroeste de Minas, Serro está na região central da Serra do Espinhaço, a cidade fica a 325 Km de Belo Horizonte. 

No século XVIII fez parte do Caminho dos Diamantes, e também da Estrada Real. Cercada por serras, morros, rios e cachoeiras. 

Além de suas belezas naturais e das minas, Serro possui um rico patrimônio histórico cultural e produz o mais famoso queijo de Minas, inclusive tendo sua receita se tornando patrimônio cultural imaterial do estado em 2002.

Originado como arraial em 1701, teve como seu primeiro nome como “Arraial do Ribeirão das Minas de Santo Antônio do Bom Retiro do Serro do Frio”. 

Citações antigas da cidade teriam citam que o local também teria sido chamado de  “Arraial das Lavras Velhas”, embora sem registros oficiais.

Em 1714 a povoação é elevada a vila e município com o nome Vila do Príncipe pelo governador Brás Baltasar da Silveira. 

No dia 17 de fevereiro de 1720 a agora vila passou a ser sede da comarca do Serro do Frio que pertencia à capitania de Minas Gerais. Foi só em 1838 que a vila se levantou para a cidade e se tornou por denominação Serro. 

Já como cidade o comércio se desenvolveu com pequenas fábricas de ferro, já que suas minas foram exaustivamente exploradas e já não tinham mais o que oferecer. 

A cidade era conhecida também pela sua importância política, nomes como Teófilo Benedito Ottoni, Cristiano Benedito Ottoni, Simão da Cunha Pereira, João da Silva e Sabino Barroso fizeram parte desta credibilidade política da cidade.

Com o passar do tempo e a falta de modernização e novas alternativas econômicas faz com que a cidade perca, pouco a pouco, a capacidade de competir com as outras cidades. 

Por exemplo, na época da proclamação da república, a cidade não conseguiu se incorporar com as redes ferroviárias se isolando dos novos padrões de transporte e desenvolvimento.

De certa forma, o isolamento ajudou, pensado pelo conservante do patrimônio histórico. 

Em 1938, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), tornando-se a primeira cidade brasileira a receber este registro. 

Ao longo do século XX, o desenvolvimento se dá através da pecuária leiteira, principal base econômica da cidade com grande parte do leite sendo usado para a fabricação do queijo do Serro.

Você quer ver a magia de Serro por um ângulo jamais mostrado, clique aqui e viva essa experiência incrível!

Pontos Turísticos de Serro

  • Museu Regional Casa dos Ottoni 

Atualmente, o acervo do Museu Regional Casa dos Ottoni tem um total de 500 objetos no inventário. 

O acervo foi formado por uma coleção pré-existente, pois o edifício passou a abrigar parte do acervo da Igreja da Purificação que foi demolida em 1920. 

O local foi construído para servir o procurador do Senado da Câmara e sua esposa. Além de museu, mesmo antes de abrigar um museu o local chegou a ser outras instituições.

Em 1911, a casa não pertencia à família Ottoni, teria sido comprada pela Santa da Casa da cidade responsável pela instalação de um asilo de órfãos e liceu.

Em 1918, por intermédio de Júlio Benedicto Ottoni, filho de Cristiano Ottoni, requisitou que no local fosse instalado o Patronato Agrícola Casa dos Ottoni, o qual foi fechado em 1930.

Quatro anos mais tarde foi aberto o "Solar dos Ottoni”, uma maternidade administrada pela Santa Casa de Caridade dedicada ao atendimento de mulheres grávidas pobres.

Muito tempo depois, em 1944, o Ministério da Fazendo autorizou a alienação do imóvel, porém a venda não aconteceu. Seis anos depois a “Casa dos Ottoni” foi tombada.

O Museus Regional Casa dos Ottoni foi atribuído a missão de preservação, pesquisa e divulgação do passado histórico e cultural do Serro e da família Ottoni, dedicando-se também a discutir o que possa se relacionar, nesse contexto, aos mais diversos aspectos da cultura atual.

 

  • Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição

Antes de ser a matriz da cidade, o monumento hoje conhecido assim, nasceu como uma capela de palha dedicada a Santo Antônio.

A construção existe hoje como tempo da arte e da fé, que se tem registro de sua construção em 1776, sendo finalizada só em meados do século XVIII.

A matriz tem três particularidades: os óculos de formatos caprichosos, as torres com estrutura de madeira e a insinuação de paredes curvas dos anexos laterais da nave, estes anexos funcionam como sacristias, salas de reunião ou depósitos.

O altar-mor foi entalhado por Bartolomeu Pereira Diniz, e foi feito no estilo rococó. A pintura do forro da nave, uma Nossa Senhora cercada de nuvens, anjos e ornatos, datada de 1828, é atribuída a Manuel Antônio Fonseca, pintor de destaque na região.

 

  •  Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Construída de 1767 a 1781, pelas mãos de José da Silva Ribeiro foram feitas as torres. O frontispício se destaca pela tarja de madeira policromada entalhada representando a figura de Nossa Senhora do Carmo entregando os escapulários a São Simão Stock. 

Os altares são de estilo rococó, representativo dos fins do século XVIII. Outro destaque para a igreja é a pintura do forro da capela-mor da matriz de Santo Antônio, em Santa Bárbara, executada pelo mestre Silvestre de Almeida Lopes. 

Uma curiosidade sobre a Igreja de Nossa Senhora do Carmo é o fato da porta dianteira original da igreja ter sido vendida a um negociante de antiguidades antes de 1941, o naturalista francês Aguste de Saint Hilaire

 

  • Cachoeiras 

São mais de 100 quedas, espalhadas por toda a extensão do município, concentrando-se principalmente nos distritos de MIlho Verde e São Gonçalo do Rio das Pedras. As mais famosas são as cachoeiras do Moinho, Lajeado, Cachoeira do Carijó e a Cachoeira do Tempo Perdido, localizada no lugarejo de Capivari, aos pés do Pico do Itambé.

 

Dicas de pousadas para você ficar em Serro

A Pousada Morais é uma excelente opção para quem deseja descansar a mente e desfrutar o melhor da comida mineira. Localizado no distrito de Milho Verde, no Serro, em Minas Gerais.

A pousada é um local aconchegante, onde quem nos recebe são os próprios donos, dando a sensação de estar na casa de um parente no interior

 

A Pousada Serrana é o destino ideal para aqueles viajantes que desejam um lugar simples, confortável, perto de tudo e principalmente barato.

Localizado em um ponto estratégico, ao ficar nesta pousada você consegue visitar os principais pontos turísticos de Serro, com pouco tempo de deslocamento

 

Dica bônus

Confraria Serrana

 

Quando for a Serro, você precisa comer pelo menos uma vez na Confraria Serrana, localizada no centro, o lugar é muito bem decorado, aconchegante e com a autêntica comida mineira.

 

O restaurante fica próximo das principais igrejas e casarões, além de trazer muito da história de Minas para o seu ambiente 

 

Criando em: 08/01/2021